terça-feira, 24 de outubro de 2017

Professores de escola estadual em Umarizal realizam paralisação contra propostas do governo


Foto: Blog do Evando Lima (Arquivo)

Os professores da Rede Estadual de Ensino, lotados na Escola Estadual de Tempo Integral (E.E.T.I.) 11 de Agosto, em Umarizal (RN), realizam nesta terça-feira (24) uma paralisação em suas atividades em protesto contra as propostas enviadas à Assembleia Legislativa pelo Poder Executivo Estadual.

Em nota, os profissionais da educação afirmam que a paralisação que acontece hoje em todo o estado, poderá se repetir em outras ocasiões e lutam contra a perda de direitos trabalhistas e do Plano de Cargos, Carreira e Salários (PCCS) e para mostrar ao governo que a categoria não aceitará tais manobras contra os professores.

Ainda de acordo com os professores, "Exigimos respeito pelos direitos adquiridos em anos de trabalho e muita luta. Um professor que perde o direito a abonos a cada nível de formação torna-se um profissional desestimulado. Abonos e formações não são regalias, mas sim graus que merecem ser reconhecidos e pagos, porque são formas lícitas de promoção do Educador".

Para protestar contra os recorrentes atrasos de salários do funcionalismo, o sucateamento dos serviços públicos e o pacote fiscal e econômico apresentado pelo governo, o Fórum dos Servidores Estaduais (FSE) convocou os trabalhadores do Estado para um ato nesta terça-feira (24). A atividade acontece a partir das 9h, em frente à Governadoria, no Centro Administrativo de Natal.

"Além dos sucessivos atrasos salariais e do sucateamento da máquina pública, as medidas do Governo do Estado sinalizam para o fim do serviço público: elas acabam com a progressão funcional das carreiras, congelam indefinidamente os salários, aumentam intempestivamente a contribuição previdenciária e liquidam todas as conquistas históricas dos servidores públicos estaduais do Rio Grande do Norte", afirma o FSE.

Em Umarizal, outros equipamentos estaduais realizam paralisações parciais em apoio às reivindicações dos funcionários públicos estaduais.

Nota dos Professores da EETI 11 de Agosto

Nós, professores que fazemos a E.E.T. I. 11 de Agosto, gostaríamos de deixar bem claro os reais motivos que motivaram a PARADA de hoje, 24/10/17.

Vivemos um cenário que alguns denominam de crise, no entanto, esta só vem afetando os salários e conquistas dos trabalhadores, em especial aqui nos referimos aos da Educação. Por outro lado vemos aumentos de salários e direitos de magistrados e políticos abusivos e totalmente fora de um contexto de crise, o qual eles tanto anunciam.

Pois bem, é diante desses fatores e outros mais, como a PERDA DE DIREITOS TRABALHISTAS E DO NOSSO PLANO DE CARGO E CARREIRA previstos num projeto que o Governo Estadual ameaça por em vigor, que os PROFESSORES PARAM hoje, e quantas vezes forem necessárias, para ALERTAR o GOVERNO de que não somos marionetes em suas mãos.

Exigimos RESPEITO pelos DIREITOS ADQUIRIDOS em anos de trabalho e muita luta. Um professor que perde o direito a abonos a cada nível de formação torna-se um profissional desestimulado. Abonos e formações não são regalias, mas sim graus que merecem ser reconhecidos e pagos, porque são formas lícitas de promoção do Educador.

Não exigimos nada além dos direitos, porque cumprimos bem os nossos deveres e merecemos respeito!

NÃO LEVANTAMOS AQUI BANDEIRAS PARTIDÁRIAS, mas sim as mãos de trabalhadores que não exigem nada além de respeito por direitos adquiridos numa coletividade!

Essa causa não é só nossa! É também em prol do nosso estudante que será um futuro profissional que anseará por empregos e que por sua vez almejarão ser promovidos em qualquer que seja o setor que escolher.

Se o/a senhor ou senhora também almeja um futuro digno para os seus, compreendam nossa causa e nos dê apoio sincero e devido.

NÃO SE FAZ ESCOLA SEM A COLETIVIDADE!


Professores da E.E.T.I. 11 de Agosto
Anterior
Proxima

Postador

0 comentários:

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››